Projeto de Infraestrutura para Centros de Promoção da Igualdade Social

 

  1.  INTRODUÇÃO

 

É conhecido e notório de grande parte da população brasileira que há um grande abismo social em nosso país.

Tal abismo foi construído ao longo de séculos de segregação social em várias camadas da sociedade, aliado à má gestão dos recursos públicos por parte dos governantes de todas as esferas.

Na contramão desse sistema instaurado, temos várias entidades que difundem ações que visam a diminuição das desigualdades sociais e a promoção dos atores mais desfavorecidos no cenário econômico brasileiro.

Boa parte dessas instituições são oriundas de atividades religiosas, sociais e governamentais.

 

 

 

  1.      OBJETIVOS

 

Abordaremos a construção da estrutura computacional que irá dar apoio tecnológico às atividades de uma dessas entidades de promoção social.

 

2.1.     Objetivo Geral

 

Prover a soluções tecnológicas para que as atividades realizadas sejam potencializadas diminuindo o gasto de tempo e custo para realização das ações propostas pela entidade.

 

2.2.     Objetivos específicos

 

Montagem do projeto de rede.

Escolha de equipamentos de rede.

Escolha de servidores.

Escolhas de estações de trabalho.

Escolhas de sistema operacionais

Escolhas de impressoras.

Escolhas de dispositivos diversos (Projetores, apresentadores, sistema de áudio)

 

 

 

  1.      DISCIPLINAS CONTEMPLADAS

 

3.1.     Princípios de sistema operacionais

Serão utilizados conhecimentos de arquitetura de sistema operacionais para seleção dos SOs propostos. Temas abordados como, tipos de sistemas, alocação e escalonamento de memória serão de grande valia em tal projeto.

 

3.2.     Princípios de sistemas da informação

Serão utilizados conhecimentos relacionados à topologia de rede, sistemas operacionais, modelos de computadores “desktops, notebooks, tablets etc”

 

3.3. Lógica.

Serão utilizados conhecimentos lógicos para melhor escolha entre as alternativas propostas.

 

3.4. Estatística

Serão utilizados métodos estatísticos para análise de dados a fim de que as tomadas de decisão sejam direcionadas à melhor opção dentro de cadas contexto.

 

3.5 Arquitetura e Organização de computadores

Serão aplicados conhecimentos de arquiteturas de processadores e utilização de memória para ampliar o desempenho das tecnologias utilizadas na unidade.

 

3.6 Desenvolvimento sustentável

Serão aplicados conhecimentos adquiridos nesta disciplina a fim de minimizar ou mesmo anular qualquer impacto ambiental que possa vir a ser causado.

3.7 Comunicação Aplicada

Serão utilizados conhecimentos gerais de comunicação aplicada no intuito de desenvolver uma boa comunicação interna e externa no centro de promoção social.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  1. DESENVOLVIMENTO

4.1 – Referenciais teóricos

Nesta parte do projeto serão apontados as ferramentas e componentes

Utilizados no desenvolvimento do Projeto de implementação em Centros de Promoção da Igualdade Social.

O modelo de implementação é esboçado a seguir, cada um no seu determinado tópico.

 

4.2 Arquitetura e Organização de computadores

Dois conceitos fundamentais no estudo dos sistemas de computação são o de Arquitetura e Organização de computadores. O termo arquitetura refere-se aos atributos do ponto de vista do programador, e portanto, têm impacto direto sobre sobre a execução lógica de um programa. O termo organização, refere-se às unidades operacionais e suas interconexões. Desta forma, uma mesma arquitetura pode ser implementada por meio de diferentes organizações.

A arquitetura de um sistema computacional estabelece o modelo da organização e funcionamento de um sistema de processamento, com todas suas partes, divididas em seções, interagindo entre si.

Os componentes e suas relações são representados através de sistemas hierárquicos, o que mostra-se ideal para o estudo de conjuntos complexos e que atuam em diferentes níveis; separados por suas características, estudaremos o funcionamento de cada um destes componentes.

As funções básicas de um computador são o processamento de dados, armazenamento de dados, transferência de dados e controle. Para desempenhar essas funções o computador precisa executar um conjunto de instruções (programa). Os computadores que conhecemos são baseados no conceito de programa armazenado, introduzido por Von-Neuman. As instruções do programa e os dados são armazenados em uma memória, de forma que a alteração de um programa consiste na alteração de um endereço de memória.

 

4.3      Princípios de sistemas da informação

Um sistema de informação é um conjunto organizado de elementos, podendo ser pessoas, dados, atividades ou recursos materiais em geral. Estes elementos interagem entre si para processar informação e divulga-la de forma adequada em função dos objetivos de uma organização.

O estudo dos sistemas de informação surgiu como uma subdisciplina das ciências da computação, com o objetivo de racionalizar a administração da tecnologia no seio das organizações. O campo de estudo foi-se desenvolvendo até vir mesmo a fazer parte dos estudos superiores dentro da administração.

No prisma empresarial, os sistemas de informação podem classificar-se de diversas formas. Existem, por exemplo, sistemas de informação operacional ou de processamento de transações (que gerem a informação referente às transações que têm lugar numa empresa), sistemas de informação de gestão (para solucionar problemas empresariais em geral), sistemas de informação estratégicos ou de apoio à decisão (analisam as distintas variáveis de negócio para a tomada de decisões), sistemas de informação executiva (para diretores, gerentes e administradores), sistemas de automatização de escritórios (aplicações que ajudam no trabalho administrativo) e sistemas especializados (que emulam o comportamento de um especialista numa área concreta).

Convém frisar que o conceito de sistemas de informação costuma ser utilizado como sinónimo de sistema de informação informática, ainda que não sejam o mesmo. Este último pertence ao campo de estudo das tecnologias da informação, podendo fazer parte de um sistema de informação enquanto recurso material. Em todo o caso, diz-se que os sistemas de informação tratam do desenvolvimento e da administração da infraestrutura tecnológica de uma organização.

 

4.4 Estatística

Estatística é a parte da ciência responsável pela coleta, organização e interpretação de dados experimentais e pela extrapolação dos resultados da amostra para a população. Mas o que representam os conceitos de amostra e população?

População é qualquer conjunto, não necessariamente de pessoas, que constituem todo o universo de informações de que se necessita. Por exemplo, se em uma empresa o diretor gostaria de saber se os funcionários estão satisfeitos com os benefícios oferecidos, a população de estudo são todos os funcionários dessa empresa. Outro exemplo de população é o caso de um biólogo que necessita estudar uma espécie de formigas de uma determinada região. Assim a população corresponde a todas as formigas dessa espécie que vivem nessa região. Note que o conceito de população depende do objetivo do estudo.

Amostra corresponde a um grupo representativo da população. Por exemplo, uma rádio tem o interesse de saber como está sua audiência com os ouvintes no trânsito. Sabemos que não é possível perguntar a todos os motoristas que ouvem rádio qual é aquela que eles preferem. Então buscamos uma amostra dessa população, isto significa, perguntar somente a alguns motoristas qual rádio eles preferem escutar enquanto dirigem.

 

 

 

 

 

 

4.5 Lógica.

A lógica de argumentação permite verificar a validade ou se um enunciado é verdadeiro ou não. Não é feito com conceitos relativos nem subjetivos. São proposições tangíveis cuja validade podem ser verificada. Neste caso, a lógica tem como objetivo avaliar a forma das proposições e não o conteúdo. Os silogismos (compostos por duas premissas e uma conclusão), são um exemplo de lógica de argumentação. Por exemplo:

 

O Fubá é um cachorro.
Todos os cachorros são mamíferos.
Logo, o Fubá é um mamífero.

 

 

 

4.6 Princípios de sistema operacionais

Há muitos tipos de Sistemas Operacionais, cuja complexidade varia e depende de que tipo de funções é provido, e para que computador esteja sendo usado. Alguns sistemas são responsáveis pela gerência de muitos usuários, outros controlam dispositivos de hardware como bombas de petróleo.

O sistema operacional funciona com a iniciação de processos que este irá precisar para funcionar corretamente. Esses processos poderão ser arquivos que necessitam de ser frequentemente atualizados, ou arquivos que processam dados úteis para o sistema. Poderemos ter acesso a vários processos do sistema operacional a partir do gerenciador de tarefas, onde se encontram todos os processos que estão em funcionamento desde a inicialização do sistema operacional até a sua utilização atual.

 

 

O sistema operacional é uma coleção de programas que:

  • Inicializa o hardware do computador
  • Fornece rotinas básicas para controle de dispositivos
  • Fornece gerência, escalonamento e interação de tarefas
  • Mantém a integridade de sistema

Um Sistema Operacional muito simples para um sistema de controle de segurança poderia ser armazenado numa memória ROM (Só de Leitura – um chip que mantém instruções para um computador), e assumir o controle ao ser ligado o computador. Sua primeira tarefa seria reajustar (e provavelmente testar) os sensores de hardware e alarmes, e então ativar uma rotina monitorando ininterruptamente todos os sensores introduzidos. Se o estado de qualquer sensor de entrada for mudado, é ativada uma rotina de geração de alarme.

A comunicação com a população ao chegar no Centro de Promoção Social é feita através de um sistema informativo e interativo com o público alvo sendo eles adultos, adolescentes e crianças. O sistema e uma triagem sendo composto por um sistema:

 

Figura 1- Exemplo da interface do sistema utilizado na recepção do Centro de Promoção Social.

 

 

 

4.7 Desenvolvimento sustentável

“O desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades”, esta é a definição mais comum de desenvolvimento sustentável. Ela implica possibilitar às pessoas, agora e no futuro, atingir um nível satisfatório de desenvolvimento social e econômico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais. Em resumo, é o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro.

Um desenvolvimento sustentável requer planejamento e o reconhecimento de que os recursos são finitos. Ele não deve ser confundido com crescimento econômico, pois este, em princípio, depende do consumo crescente de energia e recursos naturais. O desenvolvimento nestas bases é insustentável, pois leva ao esgotamento dos recursos naturais dos quais a humanidade depende.

O conceito de desenvolvimento sustentável procura harmonizar os objetivos de desenvolvimento econômico, desenvolvimento social e a conservação ambiental.

O campo do desenvolvimento sustentável pode ser dividido em quatro componentes: a sustentabilidade ambiental, a sustentabilidade econômica, a sustentabilidade sociopolítica e a sustentabilidade cultural.

A sustentabilidade ambiental consiste na manutenção das funções e componentes dos ecossistemas para assegurar que continuem viáveis – capazes de se auto reproduzir e se adaptar a alterações, para manter a sua variedade biológica. É também a capacidade que o ambiente natural tem de manter as condições de vida para as pessoas e para os outros seres vivos, tendo em conta a habitabilidade, a beleza do ambiente e a sua função como fonte de energias renováveis.

A sustentabilidade econômica é um conjunto de medidas e políticas que visam a incorporação de preocupações e conceitos ambientais e sociais. O lucro passa a ser também medido através da perspectiva social e ambiental, o que leva à otimização do uso de recursos limitados e à gestão de tecnologias de poupança de materiais e energia. A exploração sustentável dos recursos evita o seu esgotamento.

A sustentabilidade sociopolítica é orientada para o desenvolvimento humano, a estabilidade das instituições públicas e culturais, bem como a redução de conflitos sociais. É um veículo de humanização da economia, e, ao mesmo tempo, pretende desenvolver o tecido social nos seus componentes humanos e culturais.

Vê o ser humano não como objeto, mas sim como objetivo do desenvolvimento. Ele participa na formação de políticas que o afetam, decide, controla e executa decisões.

A sustentabilidade cultural leva em consideração como os povos encaram os seus recursos naturais, e sobretudo como são construídas e tratadas as relações com outros povos a curto e longo prazo, com vista à criação de um mundo mais sustentável a todos os níveis sociais. A integração das especificidades culturais na concepção, medição e prática do desenvolvimento sustentável é fundamental, uma vez que assegura a participação da população local nos esforços de desenvolvimento.

 

 

 

4.8 Comunicação Aplicada

A comunicação aplicada é a área do conhecimento que, entre outras muitas possibilidades, permite examinar como empresas e organizações podem gerenciar sua identidade corporativa, produtos e serviços, e suas relações com os componentes internos e externos. Isto é, como podem trabalhar a sua imagem e melhor comuniquem suas ideias e produtos.

Os profissionais da comunicação aplicada aprendem a importância de decisões baseadas em pesquisas de marketing e relações públicas. Aprendem também, sobre o processo de comunicação persuasiva com o público-alvo, os princípios de comportamento dos consumidores, as habilidades necessárias para medir os efeitos de marketing, e na prática das relações de sucesso através das mídias.

Ações da Comunicação aplicada:

  • Implementação de processos de comunicação persuasiva para os desfechos com um público-alvo publicidade e propaganda;
  • Entendimento do comportamento do consumidor, o que leva, e como influenciá-lo;
  • Emprego de marketing, PR, e técnicas de publicidade para criar planos de comunicação com resultados mensuráveis;
  • Desenvolvimento, gerenciamento e análise das relações efetivas práticas de mídia.

Áreas de abrangência:

Marketing;

Publicidade;

Jornalismo;

Relações Internacionais;

Comunicação Visual;

Fomentação de blogs e sites;

Designer gráfico;

Designer de Produtos;

Letras e Literaturas;

Artes plásticas;

Cinema;

Teatro.

Entre muitas outras.

 

4.9 IGUALDADE SOCIAL

 

4.9.1Objetivo

É assegurar que toda população tenha os mesmos direitos, informando e conscientizando-a sobre oportunidades e benefícios tendo o princípio da igualdade mesmo que não façam parte do mesmo grupo social, fazendo dessa forma que não haja nenhum tipo de discriminação.

 

4.9.2 Público alvo

Adultos, adolescentes e crianças.

 

4.9.3 Canal de comunicação

Visual e Auditivo- Trabalhar o som e o visual provocando emoções, despertando a atenção das pessoas para o objetivo principal.

 

 

4.9.4 Estrutura da mensagem

Informatizar a população sobre a igualdade de todos os cidadãos perante a Lei. Passando a mensagem de igualdade seja na classe social em que vive, raça, origem repassando a mensagem de que “Somos todos iguais”

 

4.9.5 Ferramenta de comunicação

Folders e panfletos.

 

Figura 2- Exemplo de ferramenta de comunicação

 

  1. Estrutura computacional (Modelo de implementação)

 

Servidores dell poweredge T320 (Sistemas/Arquivos);

Nobreaks de 1000 kvas para os servidores;

Patch Cords AMP;

Switch Dell de 24 portas gerenciavel;

Patch Panel;

Caixas de cabos Furukaua;

Conectores RJ45 AMP;

Desktop Dual Core/ 4Gb Ram/ Placa Mãe Gibabyte/ 3 Placas de rede Gigabytes para montagem de Firewall Linux Pfsense (Servidores)

Projetores Epson para atender o Anfiteatro;

Notebook Dell core i3 4gb de Mem. RAM HD 1TB;

Desktops convencionais seguinte as seguintes configurações: Core i3 – 4gb Mem Ram – Placa mãe Gigabyte – Hd 500 Gb – Fonte 150 Watts –  Teclado multilaser –  Mouse Multilaser –  Monitor de 15 polegadas Samsung – Estabilizadores

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6-        CONCLUSÃO

 

Ao final deste concluímos, que todas as disciplinas estudadas ao longo do curso serão de grande valia ao longo de nossa vida profissional.

Cada conhecimento adquirido foi um fator facilitador para o bom planejamento deste projeto de Centro de promoção social, e sem eles essa tarefa seria demasiadamente complicada.

Também ficou evidenciado aos participantes do projeto, a importância de projetos dessa natureza para que possamos desenvolver flexibilidade ao lidar com implementações dessa natureza em âmbito profissional.

E por fim concluímos também sobre a importância de projetos sociais que promovam ações de promoção social.

                                                   7- Anexos

Produto Qtd Preço Loja 1 UN Preço Loja 2 UN Preço Loja 3 UN
COMPUTADO INTEL Core I3 3.70GHZ 4GB DDR3 HD 500GB HDMI MONITOR 21 WINDOWS 10 SINGLE LENGUEAGE 18 R$ 2.356,00 R$ 2.387,00 R$ 2.590,00
SERVIDORES DELL POWEREDGE 7320 3TB 2 R$ 7.999,51 R$ 6.590,00 R$ 7.200,00
PACH PANEL FURUKAWA 24 PORTAS 2 R$ 117,32 R$ 153,29 R$ 109,35
NOBREAK BACK UPS 1.5KVA ENTRADA E SAIDA BIVOLT 4 R$ 789,80 R$ 759,00 R$ 610,00
CABO DE REDE UTP CAT5Ee FURUKAWA 450 M 3 R$ 295,00 R$ 258,00 R$ 490,00
UBIQUITI AP UNIF UAP 2.4 GHZ 4 R$ 365,72 R$ 349,99 R$ 491,92
NOTEBOOK DELL INSPIRON 14 5000 CORE I3 4GB HD 1TB 2 R$ 2.199,00 R$ 1.949,00 R$ 2.099,00
PROJETOR EPSON 3600 LUMENS HDMI WIRELESS X-36 1 R$ 2.235,00 R$ 2.256,00 R$ 2.056,00
SWITCH DELL GERENCIAVEL NETWORKING X1026 24 PORTAS 2 R$ 1.700,00 R$ 1.591,80 R$ 1.649,27
LOCAÇÃO DE IMPRESSORA BROTHER 8085 4000 COPIAS 4 R$ 765,00 R$ 379,80 R$ 593,00
TOTAL UNITARIO 42 R$ 18.822,35 R$ 16.673,88 R$ 17.888,54
PREÇO TOTAL R$ 77.241,74 R$ 72.519,34 R$ 79.040,92
MENOR PREÇO R$ 72.519,34

 

            Figura 03 – Dados e preços sobre os produtos de uma implementação

 

 

 

Figura 04: Comparação de preços entre 3 empresas licitadoras

 

Figura 5: Modelo básico da planta do prédio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8-        REFERÊNCIAS

 

 

BRAGA C, Newton. Curso de Eletrônica. 1. Ed. São Paulo: Makros,

2008.61p. ALBERT, Malvino. Eletrônica. 1. Ed. Rio de Janeiro: Newton C Braga, 2005.110p. INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL

(Brasil). Classificação Nacional e patente. 3. Ed. Rio de Janeiro, 2009 . V.9. INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃOEM CIÊNCIA E TECNOLOGIA.

Bibliografia Brasileira de Ciência da Informação: 1986/2008. Brasília: IBICT, 1987.

 

O que é desenvolvimento sustentável

Fonte: http://conceito.de/sistema-de-informacao

Fonte: http://www.diegomacedo.com.br/fundamentos-de-arquitetura-e-organizacao-de-computadores/

https://www.oficinadanet.com.br/artigo/851/o_que_e_um_sistema_operacional

 

  1.  Autores

 

Cassio Henrique Xavier Mendes

Joaquim Gonçalves de Brito

Maycon Felipe Quintero Santos

Michael Lucas Menezes Silva

Pedro Isaque Dornelas

Wander de Matos Maciel

Você pode gostar...